Print

As mentiras da França sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden
By Salim Lamrani
Global Research, July 12, 2013
Opera Mundi
Url of this article:
https://www.globalresearch.ca/as-mentiras-da-franca-sobre-o-caso-evo-moralesedward-snowden/5342571

Ao proibir que o avião presidencial de Evo Morales sobrevoasse seu território na madrugada entre os días 2 e 3 de julho de 2013, a França desatou uma grave crise internacional com a Bolívia. Espanha, Itália e Portugal também foram culpados do mesmo ato de hostilidade em relação ao país sul-americano. Todos, sem exceção, seguiram as ordens de Washington, que pensava erroneamente que seu ex-agente Edward Snowden se encontrasse a bordo do avião.

Toda América Latina, desde o Chile até Cuba, de todas as tendências políticas, condenou este ato, inédito desde o final da II Guerra Mundial. Paris foi culpada de uma gravísima violação do Direito Internacional ao atentar contra la imunidade diplomática absoluta da qual goza todo chefe de Estado. A Bolívia se dirigiu imediatamente às instâncias internacionais para denunciar esta agressão ilegal.

Agência Efe

O presidente boliviano, Evo Morales, é recepcionado pela população ao chegar ao aeroporto de El Alto

As explicações proporcionadas pelo Ministério francês de Relações Exteriores são pouco convincentes. O Quai d’Orsay “lamentou o contratempo causado ao presidente Morales pelo atraso na confirmação da autorização do sobrevoo do território francês pelo avião do presidente”. No entanto, a Bolívia pediu e conseguiu a autorização de cruzar o espaço aéreo francês no dia 27 de junho de 2013, ou seja, seis dias antes do incidente. Assim, a França sabia quase uma semana antes que o avião presidencial boliviano cruzaria seu território nacional.

Questionado a respeito, o presidente francês François Hollande não prestou maiores esclarecimentos. “Quando me inteirei de que era o avião do presidente boliviano, autorizei imediatamente o sobrevoo”. Outra vez, estas palavras são inexatas já que havia sido dada anteriormente a autorização do veículo para cruzar o espaço aéreo uma semana antes do grave incidente que obrigou Evo Morales a aterrisar de emergência na Áustria e fazer uma escala de 13 horas ali.

Na verdade, a França mostrou uma embaraçosa submissão frente os Estados Unidos e se comportou não como uma grande nação soberana e independente, mas como uma “República das Bananas” dócil e obediente. Paris não vacilou um só instante em violar o Direito Internacional, cometer um ato sumariamente hostil para com um país aliado e colocar em perigo a vida de um presidente democraticamente eleito, com o objetivo de acatar uma ordem de Washington. Assim, o governo socialista francês prestou ajuda à administração Obama em sua intenção de prender Edward Snowden, que revelou que os serviços de inteligencia estadounidenses espionavam… a Europa e a França.

Salim Lamrani

 

Doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, Salim Lamrani é professor-titular da Universidade da Reunião e jornalista, especialista nas relaciones entre Cuba e Estados Unidos. Seu último livro se chama The Economic War Against Cuba. A Historical and Legal Perspective on the U.S. Blockade, New York, Monthly Review Press, 2013, com prólogo de Wayne S. Smith e prefácio  de Paul Estrade. Contato: [email protected] ; [email protected]  Página no Facebook.

Disclaimer: The contents of this article are of sole responsibility of the author(s). The Centre for Research on Globalization will not be responsible for any inaccurate or incorrect statement in this article.